Segunda-feira, 1 de Agosto de 2011

Ali estava eu, sozinho na praia. Ao longe podia perceber os recortes de outra pessoa, estava a pescar. Ali, em pé, de cana na mão, estático. Estive a olhá-lo durante um tempo, não se mexia. Talvez não fosse um bom dia para a pesca. Mas o que importa isso! Ele continuava ali. Firme das pernas, tranquilo.

Eu sentado nas pedras, com o calor a percorrer-me todo o meu corpo, senti os olhos pesados. Pensei em dormir.

Apesar da vontade, não cedi. Voltei-me para trás e tirei um livro. Num gesto súbito, a contrariar o peso do meu corpo dormente do sol, estiquei o braço direito e apanhei o livro. Pus-me a ler.

Aos poucos o prazer da leitura fazia vibrar todo o meu corpo. Por breves instantes submergi na história, e passei a imaginar os acontecimentos, as escolhas de Meursault «O Estrangeiro». Também eu a tentar adivinhar-lhe um final.

De tempos a tempos a espuma branca do mar vinha acariciar-me os pés. Sentia o frio da água que contrastava com o meu corpo dormente e quente do sol. Quando isso acontecia sentia um pequeno arrepio a inundar-me o corpo. Pensei, é tão bom! ao contrário do «Estrangeiro» eu estava livre, enquanto ele estava preso. Eu podia ver e sentir o mar. Ele apenas podia recordar a sua última caminhada na areia escaldante. Ainda assim sentia-se livre dentro das quatro paredes que eram agora o seu quarto. No meio deste pensamento voltei a sentir vontade de dormir. Pousei o livro e recostei a cabeça para trás. Por sorte tinha a pedra perfeita para amparar o meu corpo dormente.

Fiquei assim uns instantes mas despertei quando ouvi um barco a aproximar-se da praia. Nele vinham três pessoas. O homem que nesse instante manuseava um caiaque, salta para a água e põe-se a remar. Atrás ficaram as duas mulheres.

Mesmo a chegar ao areal, quando caiaque estava por cima da onda, num gesto traiçoeiro de mar, virou-se. Vi o caiaque a bater nas pedras e noto o corpo do homem a enrolar-se na ondulação. De repente vejo-o a erguer-se novamente. Ainda tinha os remos nas mãos. Sorri de maneira trocista.

Depois de refeito do embate apressou-se a verificar o caiaque, voltando em seguida para a beira-mar. Parecia procurar qualquer coisa. As duas mulheres falavam com ele mas a distância e o som das ondas na areia não deixava perceber. Ficou ali durante um tempo. Olhava para o fundo do mar, olhava para as mulheres. De repente puxou o caiaque e remou para o barco.

Fiquei cansado de propor cenários com aqueles três. As horas passaram como uma brisa leve de primavera, era tarde e tinha fome. Voltei a pensar na história de Meursault, em como um homem que cometera um crime de sangue acabara por ser condenado pela sua vida, pela sua maneira de sentir. Fiquei satisfeito com o que tinha lido e também abandonei a praia nesse instante.



publicado por CadernoDaNoite às 02:58 | link do post | comentar

mais sobre mim
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

duas ou três partes a seg...

Parte I

Praia

O tarzan e outras coisas

O Mar

crónicas de uma caminhada

Lugares, Memórias e Compo...

Entre dois mundos

Festa da Sopa

Fajã de Entre-Ribeiras e ...

arquivos

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

todas as tags

links
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds